Não ao fechamento do Instituto Moreira Salles

Imagem5

Uma perda lamentável
Moreira Salles fecha espaço cultural do Centro de BH

As portas do belo prédio da Avenida Afonso Pena, 737, próximo à Praça
Sete, no coração de Belo Horizonte, vão se fechar no fim deste mês e
não se sabe quando serão reabertas. Elas vão encerrar para sempre,
como mostra reportagem do Estado de Minas (Cultura), um dos mais bem
montados espaços culturais da cidade, o Instituto Moreira Salles
(IMS). Inaugurado em 1997, como um presente do então Unibanco – última
denominação da casa bancária fundada em Poços de Caldas, antes de sua
fusão com o Itaú – ao centenário da cidade. A perda é enorme. É mesmo
incalculável, dada a excelência e o refinamento da programação que a
casa vinha ofereceu nos 12 anos de funcionamento. De fato, aquele se
consolidou como um privilegiado espaço para exposições de artes
visuais, complementadas por programação de literatura e música de alto
nível.

Nos últimos anos, o edifício de atraente arquitetura, construído em
1925 para ser sede do Banco do Brasil e incorporado mais tarde pelo
banco dos Moreira Salles, tradicional família de banqueiros mineiros,
passou a ser presença marcante na vida cultural da cidade. Foi graças
ao IMS que o público de BH teve acesso a mostras antológicas de
autores históricos da fotografia brasileira, como Marc Ferrez
(1843-1923). Bem montadas exposições de artistas plásticos modernos e
contemporâneos também valorizaram a programação da casa, dando aos
mineiros a oportunidade preciosa de contato com as obras de talentos
como os de Portinari, Artur Piza, Mário Zavagli e José Alberto Nemer.
A literatura foi prestigiada pela instituição com o importante
lançamento de cadernos dedicados a Guimarães Rosa, Adélia Prado, Jorge
Amado, João Cabral de Melo Neto, Raduan Nassar e Lygia Fagundes
Telles. Não é preciso ir além disso para se constatar o quanto a
cidade tem razões para lamentar a decisão do IMS de encerrar suas
atividades entre nós.

Esse duro golpe na vida cultural da cidade se deve, segundo a direção
da instituição, a motivos financeiros, agravados pela crise econômica
mundial. Nada tem a ver, garante a administração do IMS, com a recente
fusão que deu origem ao maior conglomerado financeiro do país, já que
o IMS vive de dotação integral da família Moreira Salles. O instituto,
pelo mesmo motivo, está fechando as portas também em Porto Alegre,
para concentrar suas atividades no Rio de Janeiro e São Paulo. Há que
se respeitar os motivos e a decisão de instituição que já deu
incontestáveis demonstrações de seriedade. Mas, inconformados com a
perda, os mineiros não vão abrir mão da oportunidade de sugerir ao Itaú
Unibanco que, pelo menos em relação ao estado que viu nascer o
Unibanco e, mais tarde, deu nova musculatura ao Itaú, com a
bem-sucedida incorporação do Bemge, recompense BH com investimentos
culturais de igual monta e de nível igualmente elevado como o do IMS.
A história recente do conglomerado nos permite considerá-lo gente de
casa e, na intimidade do café com pão de queijo, ambos sabemos que
esse é um prazer e um privilégio que vale a pena manter.

Clique aqui para ver a notícia na íntegra.

~ por Raphael Fraga em 05/08/2009.

2 Respostas to “Não ao fechamento do Instituto Moreira Salles”

  1. Mesmo tendo frequentado pouco o lugar, acho mesmo irreparável a perda deste espaço cultural, é uma mutilação na cena cultural de BH.
    Parabéns pelo texto, muito bem escrito.

  2. Tem um abaixo-assinado virtual na Internet contra o fechamento do IMS-BH! Vamos votar e divulgar!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: